Igreja

Igreja (4)

Quinta, 18 Agosto 2016 18:40

Papa: a comunhão com Cristo vive-se na vida quotidiana

Escrito por

Quarta-feira, 17 de agosto – audiência geral com o Papa Francisco na Sala Paulo VI. Partindo da passagem evangélica da multiplicação dos pães, o Santo Padre sublinhou que se deve viver a comunhão com Cristo inserindo-nos na relação com os homens e mulheres do nosso tempo

Recolhendo inspiração no texto de S. Mateus, o Papa recordou que Jesus tinha recebido há pouco a notícia da morte de João Batista e procura estar só. A multidão que o seguia vai ao seu encontro e Jesus vendo-a teve compaixão.

Segundo Francisco a compaixão de Jesus “não é um vago sentimento; mostra, pelo contrário, toda a força da sua vontade de estar próximo a nós e de nos salvar.”

Perante tantas pessoas cansadas e esfomeadas, Jesus preocupou-se em dar-lhes de comer: partiu o pão e deu aos discípulos e os discípulos deram à multidão – sublinhou o Santo Padre. Desta forma, “o Senhor vai ao encontro das necessidades dos homens, mas quer tornar cada um de nós concretamente participante da sua compaixão” – afirmou Francisco que salientou que os gestos de Jesus são os mesmos da Última Ceia e, portanto, os mesmos que cada sacerdote cumpre quando celebra a Eucaristia. A comunidade cristã nasce e renasce, continuamente, desta comunhão eucarística – disse o Papa:

Viver a comunhão com Cristo é, por isso, outra coisa do que permanecer passivos e afastar-se da vida quotidiana, pelo contrário, cada vez mais nos insere na relação com os homens e mulheres do nosso tempo, para oferecer-lhes o sinal concreto da misericórdia e da atenção de Cristo.”

Enquanto nos nutre de Cristo, a Eucaristia que celebramos transforma pouco a pouco também nós no corpo de Cristo e alimento espiritual para os irmãos. Jesus quer alcançar todos, para levar a todos o amor de Deus. Por isto, torna cada crente servidor da misericórdia.”

No final da sua catequese o Santo Padre sublinhou que o caminho a percorrer pelos discípulos de Cristo é o de dar de comer ao povo e mantê-lo unido estando ao serviço da vida e da comunhão.

O Papa saudou também os peregrinos de língua portuguesa:

Dirijo uma cordial saudação aos peregrinos de língua portuguesa, em particular, aos fiéis de Portugal e do Brasil. Queridos amigos, Jesus faz-se próximo das multidões e vem ao encontro das necessidades dos homens com a Eucaristia tornando-nos, assim, participantes da sua compaixão. Fortalecidos pelo pão eucarístico tornemo-nos um sinal visível da misericórdia de Deus. Que Ele vos abençoe!”

O Papa Francisco a todos deu a sua bênção!

(RS)

Na última semana, incêndios castigaram a Ilha da Madeira em Portugal. Os incêndios começaram em São Roque, em Funchal, e alastraram-se para outras áreas, provocando mortes e mais de mil desalojados

 


Na última semana, incêndios castigaram a Ilha da Madeira em Portugal. Os incêndios começaram em São Roque, em Funchal, e alastraram-se para outras áreas, provocando mortes e deixando cerca de mil desabrigados. Mais de duzentos imóveis foram destruídos ou atingidos e há vários outros danos materiais.

A cidade de Funchal celebrou, nesta segunda-feira (15/08), a festa de Nossa Senhora  do Monte, padroeira da diocese madeirense, sem nenhuma “animação exterior” como sinal de luto pelas vítimas dos recentes incêndios na ilha.

O Papa Francisco mostrou-se “consternado” com os incêndios que atingiram Funchal, provocando vítimas mortais e elevados danos materiais na capital da Madeira. Por isso, enviou uma mensagem transmitida na festa de Nossa Senhora do Monte, padroeira de Funchal. O texto foi enviado pelo Secretário de Estado, Cardeal Pietro Parolin, em nome do Papa, ao Bispo de Funchal, Dom António Carrilho.

No telegrama, o Papa se diz “consternado pela triste notícia dos terríveis incêndios na ilha da Madeira” e pede ao bispo para “que transmita às famílias das vítimas as suas condolências e sua participação na dor de todos os enlutados, bem como a sua solidariedade e proximidade espiritual aos que perderam os seus lares”.

Francisco pede “conforto e restabelecimento para os feridos” com votos de “coragem e consolação da esperança cristã” para todos os que foram atingidos pela “tragédia”, com uma recordação especial e sua bênção a “todos aqueles que trabalham para combater os incêndios”.

“As graves consequências dos incêndios que nestes últimos dias assolaram a nossa ilha, sobretudo a cidade de Funchal, provocando vítimas mortais, vários feridos e elevadas perdas materiais, impõem um momento de recolhimento e oração em sinal de comunhão com todas as pessoas atingidas”, refere o pároco de Nossa Senhora do Monte, Pe. Giselo Andrade, em comunicado.

A nota, divulgada pela página da Diocese de Funchal na internet, justifica assim a decisão de “cancelar a animação exterior tradicional da festa do Monte”, mantendo as celebrações litúrgicas.

Na homilia da Eucaristia solene desta celebração, Dom António Carrilho recordou “a vaga de incêndios dos últimos dias e as suas dolorosas consequências”.

“Não podemos deixar de lembrar os que morreram e manifestar a mais profunda solidariedade aos que, de algum modo, sofreram momentos de grande angústia e aflição, em especial os que perderam as suas casas e todos os seus bens”, declarou o Bispo de Funchal.

O responsável católico elogiou ainda os “gestos de solidariedade” que se multiplicaram nestes dias e todo o apoio prestado por tantas instituições às vítimas desta tragédia.

“Jamais esqueceremos, ainda, a capacidade de reagir, por parte de muitos, perante situações inesperadas e tão difíceis, com a força e a coragem de querer começar a olhar em frente e projetar o futuro”, prosseguiu.

Dom António Carrilho encerrou a sua intervenção com uma oração à Virgem Maria, pedindo pelos que “mais precisam de ajuda, ânimo e força para refazer as suas vidas e construir o futuro”.

(VM/Agência Ecclesia)

Cidade do vaticano (RV)

A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou, esta quinta-feira, que na quarta-feira, 31 de agosto deste ano, depois da audiência geral aos peregrinos, o Papa deixará o Vaticano e irá à Feira de Roma.

Lá Francisco vai saudar os participantes do Congresso anual organizado pela  Sociedade Europeia de Cardiologia que reunirá 35 mil médicos de 140 países.

Pela primeira vez desde a sua fundação, os cardiologistas europeus desta Sociedade se encontrarão em Roma. Este congresso, que se realiza todos os anos, é o mais importante do mundo não apenas numericamente, mas também pelo elevado conteúdo científico que apresenta.

“A Feira de Roma – afirma o seu Presidente Mauro Mannocchi – inaugurada em 2006 – é um Centro de exposições e congressos moderno, ecológico e eficiente. Estamos perfeitamente equipados para acolher este prestigioso evento e faremos o máximo para tornar esta edição do congresso inesquecível para os participantes”.

A Sociedade Europeia de Cardiologia é actualmente presidida pelo Professor grego, Panos Vardas (M.M.).

Sexta, 29 Julho 2016 11:19

Semana do servo de Deus Pe.Ibiapina

Escrito por

Homem culto, filho de Francisco Miguel Pereira e Teresa Maria, formou-se em Direito, tendo ocupado cargos na magistratura e na Câmara dos Deputados. Decepcionado, abandonou a vida civil para seguir o catolicismo. Aos 47 anos, iniciou uma obra missionária, percorrendo a região Nordesteem missões evangelizadoras, erguendo inúmeras casas de caridade, igrejas, capelas, cemitérios, cacimbas d'água, açudes. Ensinou técnicas agrícolas aos sertanejos, atuação que inspirou no Nordeste o Padre Cícero e Antônio Conselheiro, e defendeu os direitos dos trabalhadores rurais.

O zelo apostólico do Padre José Antônio Pereira Ibiapina, no percurso do século XIX, no interior do Nordeste brasileiro, deixou marcas significativas, não apenas na organização posterior da Igreja, mas, sobretudo, na vida das pequenas comunidades desta região.[1] [2] [3]

Nertan Macedo, jornalista-pesquisador sério da história sertaneja cearense, afirma que Conselheiro, possivelmente teve oportunidade de participar das pregações do Padre Ibiapina na região de Ipu, Ceará, quando ali morou e que certamente teve forte influência deste missionário. Para reforçar sua tese afirma que o tratamento de "meu Pai" e a saudação "Louvado seja N. S. Jesus Cristo" adotada por Conselheiro e seus seguidores, foram copiadas da prática ibiapiniana.

Parece não haver dúvidas de que já naqueles tempos idos, Ibiapina adotava práticas precursoras da opção pelos pobres feita pela Igreja Católica a partir do Concílio Vaticano II, que posteriormente, viriam a dar origem à contemporânea Teologia da Libertação. Essa idéia é defendida por Pinto Júnior SJ, em brilhante artigo publicado no periódicoPerspectiva Teológica, ano XXXIV, nº 93.

Ainda nesse artigo, o autor defende a tese de que o Conselheiro e Padre Cícero foram influenciados pelo estilo de vida de Ibiapina e que de alguma forma adotaram seu modo de pregar e agir e que, também como Ibiapina, sofreram pressões da Igreja Católica por seus modos, até certo ponto independentes, de pregarem e vivenciarem a religiosidade cristã.

Curta nossa página